Cidades

Busca pela água em Monsenhor Tabosa; População exposta a risco e vulnerabilidade

  • 21 ago 2017
  • Equipes perfuram poços em vários pontos da cidade. Fotos: Dorismar Veras


Como em muitos lugares da região Nordeste do Brasil, a água não é mais abundante na cidade de Monsenhor Tabosa, no interior do Ceará, a 300 km de Fortaleza. A longa estiagem torna cada vez mais difícil a tarefa de fornecer água de boa qualidade para as pessoas e para os animais.

O município tem pouco mais de 17 mil habitantes, e embora a maior parte esteja na sede, á instabilidade climática e escassez de água, expõe ao risco tanto a população rural como a urbana.

Há cerca de um mês, o reservatório que abastecia a cidade secou totalmente e agravou a crise hídrica. Com isso, a cidade passou a ser abastecida integralmente por água de poços profundos, perfurados pelo Governo do Estado em parceria com a Prefeitura.

No início deste ano, 14 poços profundos foram perfurados e a água injetada na rede de abastecimento da Companhia de Água Esgoto do Ceará (CAGECE), porém, após o desligamento das bombas do reservatório (Açude Monsenhor Tabosa), a vasão dos poços não tem sido suficiente para atender toda a demanda que chega a 60 mil litros d’água por hora, já os poços estão produzindo apenas cerca de 40 mil litros/hora.

Enquanto isso, a CAGECE faz manobras no abastecimento e tenta atender a todos os bairros. Apesar disso, em alguns pontos, moradores relatam que ficam até 15 dias sem água nas torneiras.

A Prefeitura, com apoio do Governo do Estado continua perfurando poços para suprir a carência de água na cidade. A expectativa é que as equipes encontrem água suficiente no subsolo e os equipamentos sejam imediatamente instalados.

Operação Pipa

Na Zona Rural, a situação é ainda mais dramática. Devido às poucas chuvas, em Abril, o município decretou situação de emergência. Segundo o Coordenador Municipal da Defesa Civil, Sérgio Curcino, o município vive a pior estiagem de todos os tempos.

“A prefeitura tem se empenhado na perfuração de poços profundos nas comunidades da zona rural, mas em muitos casos não tem encontrado água”, destaca Sérgio.

Em busca de água, carros pipa, a serviço do Exercito, chegam a percorrer mais de 100 km entre comunidades da zona rural do município até à cidade de Nova Russas onde a água é retirada.

Mesmo diante do quadro, nesse mês de agosto, o programa Operação Pipa do Governo Federal, sofreu impacto negativo, provavelmente pela redução de recursos.  “Dos 178 pontos de entrega de água em Monsenhor Tabosa, 43 ficaram fora. Ao todo, a redução no abastecimento na zona rural do município chega a 55%”, afirma o Coordenador.

Ainda segundo Sérgio, vários pipeiros estão desistindo do Programa; “A substituição por outro pipeiro leva cerca de um mês para normalizar, enquanto isso a situação só agrava nas comunidades. Quem pode comprar uma carrada de água, tem a situação amenizada”, diz.

Calamidades

As calamidades provocadas pela seca trazem transtornos para os habitantes do semiárido a cada novo período de estiagem. A escassez de água está obrigando muitos criadores a se desfazerem de seus rebanhos de gado e ovelhas no município de Monsenhor Tabosa e na região.

Enquanto perdura a incerteza da chegada do próximo caminhão com água, e carga encontrada em cada poço escavado, a população da sede e zona rural segue apreensiva e exposta aos riscos e vulnerabilidades no abastecimento.

Repórter: Dorismar Rodrigues

Compartilhar

Deixe um comentário